segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Fim de namoro.






Existe hora certa para terminar um relacionamento? 

Qual a possibilidade de sair da vida de alguém sem que ambos se machuquem?



Basta enxergarmos um namoro como uma balança, onde exista respeito, equilíbrio, divisão de pesos, de bons e maus momentos... Assim é a vida de duas pessoas que se amam e decidem dividir uma existência. Pode ser que momentaneamente haja um desconforto, ora estamos por cima, ora por baixo, o nosso parceiro pode deixar a nossa balança mais leve e num dia pode ser que ela se torne num peso muito grande e exigirá em dobro de nós para que o equilíbrio volte a reinar.

Mas o que acontece se um dos pesos for retirado da balança?

Todos sabemos a resposta.

Impreterivelmente sair da vida de alguém causa perda, desiquilíbrio, e uma das partes sempre sofre mais.

Não é certo encararmos um fim de namoro como uma guerra onde prevalecem dois pesos – duas medidas. As pessoas passam juntas por um câncer, vivem meses e até anos de intensa angústia, enfrentando o desespero de perder, o medo da morte, sofrem com a dor diária e após vencerem esta dificuldade, terminam um relacionamento “sólido” porque o jarro de plantas da sala quebrou.

Não é correto terminar o que quer que seja, por SMS, email, facebook, via espacial, cibernética. Vamos deixar essas atitudes para os adolescentes que agem conforme os hormônios. Romper com alguém não é uma tarefa fácil. Não somos evoluídos ao ponto de desistirmos de um namoro quando ele está no ápice. Se assim fosse, o mundo estaria lotado de pessoas bem resolvidas, mas isso não vem ao caso.

A hora certa de terminar não existe, o fim não é previsível. Colocar na balança é uma boa saída sempre: os prós e os contras, as alegrias e as tristezas, o sexo e a traição, o amor e o desafeto, a amizade e a desunião.

A vida a dois deve ser boa para ambas as partes. Pode ser que não gostemos de algo no nosso companheiro, talvez ele seja egoísta demais, desorganizado, arrogante, mas se ele nos acorda com um beijo verdadeiro; leva o café da manhã na cama; demonstra amor através dos olhos e nos faz sentir vivos, que mal tem tentar, um dia após o outro? Um momento ruim deve ser compensado por um momento mágico. Um dia de chuva deve ser trocado por uma tarde de sol. Trocar as pessoas porque elas causam problemas na nossa mente nem sempre é a melhor solução.

Pode acontecer de o namoro ir de mal a pior, o sexo ficar menos intenso, a rotina ficar intragável e nos perdemos em meio à insegurança fazendo com que o brilho dos olhos se apague, definitivamente... Como vamos lidar com o fim?

Com o início de uma amizade. Com cumplicidade. Isso nunca falha.

O sexo acaba, o tesão desaparece, a vontade de acordar ao lado da pessoa se dissolve. Só a cumplicidade perdura e o amor se transforma. Um ex namorado pode sim se tornar no nosso melhor amigo. Toda a intimidade que dividimos com alguém é uma parte de nós que foi concedida à outra pessoa, e porque perder isso? Por esse motivo, muitas pessoas terminam uma história e se tornam inimigas mortais – simplesmente porque nunca existiu o companheirismo e a gratidão.

Não adianta querer sair por cima, magoar o outro, dizer coisas que o farão se sentir o pior dos seres humanos, porque se a intenção for machucar nossa balança se desequilibra e tudo que nos restará será peso demais - na nossa consciência. Uma vez que atiramos uma pedra em alguém, impreterivelmente, a recebemos de volta, de um jeito ou de outro. Isso se chama ação e reação. As pessoas não são como Maria de Madalena e nem sempre serão solidárias ao receber maus tratos.

Pedras foram feitas para construir um castelo, para abrigar uma história de amor e é difícil pensar que a grande maioria destrói tudo, pedra sobre pedra, porque o orgulho e a falta de respeito falam mais alto.



Bruno de Abreu Rangel

Um comentário:

Ed Filipe disse...

Bruno, vasculhando meu celular graças a uma insônia, de férias na casa dos meus pais me deparei com seu blog. Cara muito bom, artigos muito bem escritos. Parabéns
Tô ligadinho aqui
Abracao
EdFilipe